Chin Shi Huang

Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ex-executiva processa TikTok por suposta discriminação de gênero e idade

    Não é a primeira vez que a gigante das redes sociais é criticada por suposta discriminação

    Ilustração com figuras impressas em 3-D em frente ao logotipo do TikTok
    Ilustração com figuras impressas em 3-D em frente ao logotipo do TikTok 07/11/2019 - Reuters/Dado Ruvic

    Clare Duffyda CNN

    Nova York

    Uma ex-executiva sênior do TikTok está processando a empresa alegando que sofreu discriminação de idade e gênero durante os três anos de trabalho na empresa.

    Katie Puris, que trabalhou com marketing na TikTok desde 2019, diz que enfrentou expectativas desiguais por ser mulher, foi retaliada por levantar preocupações sobre o suposto tratamento e acabou sendo expulsa da empresa em 2022, de acordo com uma denúncia apresentada na quinta-feira (7) no Tribunal Distrital Sul de Nova York.

    Puris também alega que a empresa respondeu de forma inadequada depois que ela relatou ter sido assediada sexualmente em um evento em que compareceu a trabalho.

    TikTok disse a Puris que ela foi demitida por “motivos de desempenho”, de acordo com a denúncia. A TikTok não respondeu a um pedido de comentário sobre o processo.

    Esta não é a primeira vez que a gigante das redes sociais é criticada por suposta discriminação.

    As denúncias de Puris surgem depois que dois ex-funcionários negros da ByteDance dos EUA apresentaram uma queixa formal à Comissão de Igualdade de Oportunidades de Emprego dos EUA em setembro, pedindo à agência que investigasse suposta discriminação racial e retaliação contra trabalhadores negros na empresa.

    Na época, um porta-voz do TikTok disse à CNN que a empresa tem “políticas fortes em vigor que proíbem discriminação, assédio e retaliação no local de trabalho”.

    Em maio de 2023, Puris também apresentou uma acusação de discriminação e retaliação à Comissão de Igualdade de Oportunidades de Emprego.

    Puris atuou recentemente como chefe de marca global e criativa do TikTok no escritório da empresa em Nova York, e anteriormente trabalhou em outras funções de publicidade e marketing sênior, incluindo no Facebook e no Google.

    Uma campanha publicitária na qual ela trabalhou enquanto estava no TikTok foi nomeada para a lista da AdWeek de “13 campanhas que deixaram os profissionais de publicidade com inveja em 2021”, afirma a denúncia.

    Depois de ser convidada para se reunir com um executivo sênior da ByteDance, empresa controladora da TikTok, a partir de 2020, Puris “foi submetida a tratamento díspar” porque os líderes seniores “determinaram que a Sra. Puris não tinha a docilidade e a mansidão exigidas especificamente das funcionárias”, afirma a denúncia.

    Acrescenta que “Sra. Puris, uma executiva talentosa que celebrou e defendeu os sucessos de sua equipe, não se enquadrava nesse modelo estereotipado de gênero.”

    De acordo com a denúncia, os líderes da empresa expressaram abertamente a preferência pela contratação de “funcionários jovens e menos experientes, que eles acreditavam serem mais inovadores e flexíveis”. Quando um outro gerente mais tarde “insinuou que a empresa não queria tantos funcionários de alto nível… a Sra. Puris entendeu que isso se referia à sua idade”, afirma a denúncia.

    No início de 2022, Puris levantou preocupações com os recursos humanos sobre a “carga de trabalho extrema” de sua equipe e o impacto que isso estava causando à sua saúde mental e bem-estar, observando que “pelo menos cinco membros da equipe tiraram ou estão atualmente em licença médica este ano devido ao forte estresse e pressão do trabalho”, afirma a denúncia.

    Segundo o relato, Puris foi informada de que a própria licença teria impacto na sua remuneração.

    A mulher alega que enfrentou várias formas de retaliação depois de levantar preocupações junto dos recursos humanos e da gestão de que era discriminada e que a sua saúde era prejudicada devido à sua carga de trabalho, incluindo receber avaliações de desempenho fracas e ter a sua equipa reduzida.

    A executiva foi pressionada pelos gestores para atribuir classificações de desempenho mais baixas a determinados funcionários, mesmo quando não as mereciam, para justificar as suas rescisões, de acordo com a denúncia.

    “Além disso, após as reclamações protegidas da Sra. Puris, o TikTok começou a minimizá-la na empresa e decisões importantes que afetavam sua equipe foram tomadas sem sua contribuição”, afirma a reclamação.

    Durante uma viagem de trabalho com outros funcionários de marketing da TikTok para o evento Cannes Lion, em junho de 2022, Puris diz que foi assediada sexualmente por um funcionário de um dos parceiros de negócios da empresa durante um jantar de trabalho.

    O indivíduo estava “falando mal, derramou uma taça inteira de vinho no prato da Sra. Puris e começou a tocar repetidamente no braço da Sra. , acrescentando que um colega de trabalho acabou ajudando-a a sair da situação.

    Depois de relatar o incidente a um gerente no dia seguinte, Puris alega que demorou quase uma semana até receber uma resposta da equipe de ética do TikTok, e mais de um mês até receber a confirmação de que o funcionário do parceiro de negócios havia sido removido da conta do TikTok.

    O processo também pode aumentar o escrutínio que a TikTok já enfrentava nos Estados Unidos sobre suas conexões com sua controladora chinesa, ByteDance, que foi novamente levantada como um problema em uma audiência no Senado com líderes de mídia social, incluindo o CEO da TikTok, Shou Chew, no final do mês passado.

    Puris alega que depois que Chew assumiu o cargo de executivo-chefe da TikTok, em maio de 2021, diante do escrutínio da influência da China sobre o aplicativo de mídia social, o controle de pelo menos um departamento importante permaneceu com a liderança da ByteDance.

    A equipe Global Business Solutions, da qual a unidade Puris fazia parte e que “controlava todos os dólares publicitários gerados pelo TikTok e, em última análise, o que, onde e quando os anúncios eram veiculados”, continuou a se reportar a um executivo sênior da ByteDance na China, afirma a reclamação.

    Puris está buscando indenização por danos financeiros não especificados.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Chin Shi Huang Mapa do site