Chin Shi Huang

Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: as duas piores fraquezas de Biden foram expostas esta semana

    Problemas jurídicos envolvendo Hunter Biden, filho de Joe Biden, e a idade do presidente americano foram questões que pairaram sobre a campanha de reeleição de Biden esta semana

    Presidente americano Joe Biden e seu filho, Hunter Biden
    Presidente americano Joe Biden e seu filho, Hunter Biden Reprodução CNNi

    Zachary B. Wolfda CNN

    Duas grandes ameaças à reeleição do presidente Joe Biden – os problemas jurídicos do seu filho Hunter e a percepção generalizada de que o homem de 80 anos é velho demais para a reeleição – causaram grande dor a ele esta semana.

    Há muito para manter Biden ocupado com seu trabalho diário. Ele entrou em ação na sexta-feira (15) após um impasse entre o United Auto Workers e as principais montadoras dos EUA, agora que uma greve histórica está em andamento. É uma tarefa desafiadora para um presidente ligado ao trabalho, mas que quer proteger a economia em geral com a sua versão autodenominada de “Bidenomia”.

    Seria difícil para ele não se distrair com outros acontecimentos desta semana que chegaram mais perto de casa.

    Hunter Biden foi indiciado por porte federal de arma em Delaware na quinta-feira (14), acusado de mentir sobre seu abuso de drogas no passado e de violar uma lei sobre armas quando comprou uma em 2018, antes da campanha presidencial de seu pai.

    A arma foi posteriormente abandonada atrás de uma mercearia por Hallie Biden, esposa do falecido irmão de Hunter, Beau. Hallie e Hunter estavam tendo um caso na época.

    Os problemas jurídicos de Hunter Biden

    Esse triste e sórdido drama familiar do vício pode levar o filho do presidente à prisão, embora investigações separadas sobre evasão fiscal e negócios estrangeiros ainda não tenham se transformado em acusações do procurador americano de Delaware, David Weiss, que foi elevado no início deste ano a conselheiro especial para garantir a independência do Departamento de Justiça dos EUA.

    Embora Weiss não tenha encontrado nenhuma base para acusar criminalmente Hunter Biden por suas negociações comerciais no exterior e nenhuma conexão direta tenha sido estabelecida entre os interesses comerciais do filho e as posições políticas do pai, os republicanos da Câmara planejam ir mais fundo enquanto procuram mais evidências durante uma investigação oficial de impeachment autorizada pelo presidente da Câmara, Kevin McCarthy, no início desta semana.

    Seguindo em frente com o impeachment

    O impeachment pode nunca ocorrer e os anos de investigação podem não ter exposto qualquer irregularidade por parte do presidente Biden, mas o inquérito certamente manterá Hunter Biden na mente dos eleitores que podem se perguntar porque é que o presidente permitiria que a sua família operasse desta forma.

    Qualquerdemocrata que rejeite o esforço poderá recordar-se de que McCarthy se gabou em 2015 de que as exaustivas investigações da Câmara centradas em Hillary Clinton a feriram politicamente.

    Na época, ele falava sobre as investigações sobre a morte de uma embaixadora dos EUA em Benghazi, na Líbia, enquanto ela era secretária de Estado. O esforço do Partido Republicano de hoje para vincular Biden ao seu filho poderia ter um efeito semelhante.

    O que os americanos acreditam sobre os negócios de Hunter Biden

    Hunter Biden, filho do presidente dos EUA, Joe Biden, deixa tribunal em Wilmington, no Estado norte-americano de Delaware / 26/07/2023 REUTERS/Jonathan Ernst

    Mesmo que não haja nada que ligue o presidente Biden aos milhões de dólares que Hunter Biden e outros membros da família ganharam com negócios na China, na Ucrânia e em outros lugares, a maioria dos americanos não está convencida.

    Mais da metade do país, 61%, acha que Biden teve algum envolvimento nos negócios do filho enquanto era vice-presidente, de acordo com uma pesquisa da CNN conduzida pelo SSRS no final de agosto, antes da acusação de porte de arma ser proferida, mas depois que um acordo judicial anterior desmoronou.

    A maioria que pensa que o presidente estava envolvido naquela época também acha que as ações foram ilegais.

    O que não está claro é se as questões de Hunter Biden serão um fator motivador fora do grupo de eleitores que já não gosta do presidente. Seu baixo índice de aprovação no trabalho e suas preocupações com a economia poderiam, em última análise, ser mais prejudiciais em uma eleição.

    A questão da idade

    A percepção do público sobre a sua relação com o filho nem sequer é o elemento mais preocupante para Biden na pesquisa. Seria a idade dele.

    “A idade de Biden não é apenas um tema recorrente da Fox News; tem sido o assunto de conversas à mesa de jantar em todo o país neste verão”, escreveu o colunista do Washington Post, David Ignatius, pedindo que Biden se afastasse o mais rápido possível para dar a outra pessoa a chance de vencer as eleições de 2024.

    Quase um quarto dos americanos na pesquisa da CNN disse que Biden tem resistência e perspicácia para servir com eficácia, longe de ser um endosso retumbante a um presidente que trouxe vitórias políticas de uma viagem à Ásia na semana passada, mas deixou a impressão de que estava confuso em uma entrevista coletiva.

    Biden acena na chegada a Washington / 14/8/2023 REUTERS/Kevin Lamarque

    Apetite por uma alternativa

    Apenas um terço dos democratas e dos eleitores registados com tendência democrata na pesquisa disseram pensar que Biden deveria ser o candidato dos democratas em 2024. Dois terços querem um candidato diferente, embora quase ninguém saiba quem.

    Ignatius teve o respeito suficiente do presidente para conseguir um convite para o jantar oficial de Biden com o primeiro-ministro indiano em junho. Hunter Biden também compareceu. Ignatius está entre as pessoas que dizem efusivamente que Biden tem sido um presidente muito bom, ao mesmo tempo “bem-sucedido” e “eficaz”.

    “O que mais admiro no presidente Biden é que, numa nação polarizada, ele governou do centro para fora, como prometeu no seu discurso de vitória”, escreveu Ignatius, acrescentando aplausos às realizações internas e à liderança da política externa de Biden.

    Mas Ignatius teme que outra corrida de Biden com a vice-presidente Kamala Harris “arrisque desfazer a sua maior conquista – que foi impedir Trump”.

    Mas quem?

    Entre os eleitores democratas, as preocupações mais citadas com Biden são a sua idade e a necessidade de alguém mais jovem.

    A grande maioria dos democratas interessados em uma alternativa a Biden escolheu “apenas alguém além de Joe Biden”. Uma das alternativas específicas mais apoiadas, o senador Bernie Sanders, é mais velho que Biden.

    A falta de confiança em Harris para assumir o cargo ficou evidente quando Anderson Cooper, da CNN, conversou na noite de quarta-feira com a ex-presidente da Câmara, Nancy Pelosi, que está concorrendo à reeleição para o Congresso, mas se afastou da sua posição de liderança.

    Joe Biden e Kamala Harris durante convenção do Partido Democrata, na Filadélfia, EUA / 03/02/2023 REUTERS/Elizabeth Frantz

    Cooper perguntou a Pelosi se Harris era a melhor opção de chapa para Biden. “Ele pensa que sim e é isso que importa”, disse Pelosi, embora tenha elogiado Harris por ser “politicamente astuta”.

    Pelosi prometeu que os democratas estão a favor de Biden e considera que ele é o melhor candidato para derrotar Trump. “Ele tem grande experiência e sabedoria”, disse Pelosi.

    Edward-Isaac Dovere, da CNN, escreve que a campanha de Biden está traçando uma estratégia de longo prazo e que os assessores culpam a mídia pelo “que consideram uma validação das preocupações sobre a idade de Biden e sobre as alegações republicanas de corrupção de Hunter Biden, ao cobrir essas preocupações, apesar do que eles argumentam é uma falta de evidências”.

    Eles estão apostando, escreve ele, numa ênfase centrada nos dados em estados-chave para afastar os eleitores móveis de Trump.

    Biden estava mais forte em 2020

    Ele perdeu feio em Iowa e New Hampshire nas primárias de 2020, por exemplo, antes de aproveitar uma onda de apoio dos moderados nos estados do sul para uma reviravolta dramática de vários candidatos mais jovens e daqueles com seguidores mais comprometidos.

    Biden emergiu de um grupo lotado há quatro anos. Há poucos indícios de que faria sentido para ele abrir as primárias, como sugere Ignatius, a algumas dessas mesmas pessoas hoje.

    Em última análise, há uma questão em aberto sobre o que será esta eleição. Se se tratar de um referendo sobre um presidente idoso, cuja condição física preocupa os eleitores e que permitiu que o seu filho ganhasse milhões em circunstâncias que levantam suspeitas, mesmo sem provas de irregularidades, Biden terá dificuldades.

    Dito isto, uma das poucas coisas que os eleitores podem gostar menos é de uma pessoa que tentou anular uma eleição.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Chin Shi Huang Mapa do site