Chin Shi Huang

Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: Trump pode escapar impune de um debate, mas não de consequências legais

    Segundo o analista, nenhum outro candidato republicano poderia desprezar o segundo debate de seu partido, mas Trump não estaria conseguindo escapar tão impunemente assim dos desafios em seus processos legais

    Ex-presidente dos EUA Donald Trump
    Ex-presidente dos EUA Donald Trump 25/09/2023REUTERS/Sam Wolfe

    Stephen Collinsonda CNN

    Donald Trump faltou a outro debate presidencial republicano na noite de quarta-feira (27) porque ninguém o punirá por não estar presente.

    Nenhum outro candidato republicano poderia desprezar com tanto desdém o segundo fórum de seu partido e fazer o que quer – neste caso, um discurso sobre a disputa dos trabalhadores do setor automotivo em Detroit, enquanto ele inicia uma campanha para as eleições gerais meses antes da primeira votação primária ser realizada.

    Embora escapar impune seja a habilidade política por excelência do ex-presidente, o seu talento para fugir às consequências enfrenta um grave desafio em outra esfera – os tribunais.

    Um juiz de Nova York sublinhou na terça-feira (26) a crescente ameaça que Trump enfrenta devido à sua montanha de desafios legais, decidindo em um processo civil que o ex-presidente e os seus filhos adultos eram responsáveis por fraude. O julgamento, que representa uma grave ameaça ao futuro da Trump Organization, surge antes dos quatro julgamentos criminais do ex-presidente sobre outros assuntos.

    Trump não pode controlar o seu destino jurídico, mas o seu destino político ainda está nas suas mãos. Ele destruiu as regras da política ao almejar um segundo mandato na Casa Branca que prejudicaria mais o sistema constitucional de governo do que o primeiro.

    Trump reinventou repetidamente o seu Partido Republicano e a forma como escolhe os seus presidentes, além de esmagar normas de conduta presidencial. Ele neutralizou as consequências políticas de vários processos judiciais – decorrentes dos seus ataques à democracia e outras alegadas transgressões – retratando-os como exemplos de um governo e de um sistema judicial sendo usados como armas contra ele.

    O poder da sua personalidade política intimidou os críticos do Partido Republicano e criou um culto à personalidade que o torna invulnerável a ataques vindos de dentro do partido. Anos de desprezo pela credibilidade das eleiçõesnosEstados Unidos convenceram milhões dos seus apoiadores de que ele é vítima de fraude eleitoral.

    Portanto, há muito pouco risco para Trump boicotar o debate na Biblioteca Presidencial Ronald Reagan, que homenageia o antigo presidente cujo espectro pairou sobre o seu partido durante décadas, até que o nacionalismo populista de Trump o afugentou.

    Desde o primeiro debate do Partido Republicano no mês passado em Wisconsin, a campanha do governador da Flórida, Ron DeSantis, enfraqueceu ainda mais, enquanto a ex-governadora da Carolina do Sul, Nikki Haley, ganhou algum burburinho e alguns pontos percentuais.

    Mas não há sinais de que, passado mais um precioso mês de campanha, qualquer candidato esteja emergindo como um desafiador significativo a Trump e à sua enorme vantagem nas pesquisas primárias.

    Candidatos presidenciais norte-americanos Ron DeSantis, Mike Pence, Vivek Ramaswamy e Nikki Haley durante debate em Wisconsin, EUA / 23/8/2023 REUTERS/Brian Snyder/Arquivo

    Seria uma grande surpresa se um dos seus rivais aproveitasse o debate, que é efetivamente um confronto pelo segundo lugar, para lançar o tipo de crítica contundente a Trump que poderia prejudicar a sua posição entre os eleitores republicanos.

    Apenas os candidatos que mal pontuaram na maioria das pesquisas – como o ex-governador de Nova Jersey, Chris Christie, ou o ex-governador do Arkansas, Asa Hutchinson, que não cumpriam os critérios do RNC para participar neste debate – atacaram vigorosamente Trump.

    Embora candidatos como DeSantis e Haley tenham atacado Trump em questões como o aborto ou, ainda que pouco, sobre a sua elegibilidade, não arriscaram um ataque direto ao crescente extremismo do ex-presidente.

    Mike Pence, o ex-vice-presidente que os apoiadores de Trump queriam enforcar em 6 de janeiro de 2021, foi mais contundente – e recompensado com uma campanha fraca.

    Cassidy Hutchinson – assessora do ex-chefe de gabinete da Casa Branca, Mark Meadows, que demonstrou mais coragem ao expor a má conduta de Trump em 6 de janeiro do que a maioria do resto do Partido Republicano – ficou maravilhada com a influência dele em seu partido em uma entrevista para a CNN na terça-feira sobre o lançamento de seu novo livro.

    Ela incluiu os republicanos que estavam no palco do debate na noite de quarta-feira em suas críticas àqueles que não condenarão as ações de Trump. “Donald Trump tem um grande controle sobre essas pessoas e, às vezes, não consigo entender o porquê”, disse Hutchinson.

    “Por que é tão fácil para essas pessoas concordarem com isso, por que é tão fácil para essas pessoas dizerem que o que estão fazendo está certo?”, Hutchinson acrescentou: “Naquele momento eles estão admitindo que concordam em travar uma guerra contra a nossa Constituição. Esse não é um valor republicano, não é um valor americano, (mas) esses são os tipos de candidatos que estamos olhando para 2024”.

    Candidatos à Presidência dos EUA em debate na quarta-feira (27) / Reprodução/Fox Business Network e Univision

    Mais do mesmo de Trump, mas pior

    O manto de impunidade política de Trump tem estado à mostra quando ele regressou ao centro do palco político nos últimos dias.

    • Qualquer outro ex-presidente que sugerisse que o Chefe do Estado-Maior Conjunto, general Mark Milley, deveria enfrentar a execução – como fez Trump nas redes sociais no fim de semana passado – seria considerado um pária nacional. Mas o exemplo mais recente da bílis de Trump passou em grande parte despercebido no meio da sua torrente diária de indignação.
    • A recente ameaça de Trump de usar o Departamento de Justiça para perseguir os seus inimigos políticos se reconquistar a Casa Branca teria sido suficiente para desqualificar a maioria dos candidatos presidenciais. No entanto, quase não provocou um murmúrio por parte dos rivais republicanos de Trump. O silêncio também preceu quando o ex-presidente disse que usaria o poder da presidência para investigar uma rede de televisão, a MSNBC, por traição.
    • Trump raramente deixa passar um dia sem afirmar falsamente que ganhou as eleições de 2020. Antes de ele aparecer, a ideia de que um presidente procurasse quebrar a cadeia de transferências pacíficas de poder era impensável. Mas agora, é possível que ele ganhe as eleições gerais subsequentes.

    Um raro desafio à impunidade de Trump

    No entanto, o talento do ex-presidente para evitar as consequências dos seus atos enfrenta o seu maior desafio. Na terça-feira, por exemplo, um juiz de Nova York concluiu que Trump e os seus filhos, Eric e Donald Jr., forneceram declarações financeiras falsas durante cerca de uma década.

    Enquanto isso, em Washington, DC, um juiz federal está considerando um pedido do procurador especial Jack Smith para impor uma ordem de silêncio parcial ao ex-presidente depois que o promotor o acusou de tentar envenenar o júri e intimidar testemunhas.

    Estes dramas jurídicos são os precursores dos quatro julgamentos que o ex-presidente, que nega qualquer irregularidade, enfrenta em um total de 91 acusações criminais – em relação à sua tentativa de derrubar as eleições de 2020, ao seu alegado tratamento indevido de documentos confidenciais que acumulou em Mar-a-Lago, e por causa de um pagamento secreto a uma atriz de cinema adulto antes das eleições de 2016.

    A mera sugestão de acusações criminais foi suficiente para afastar a maioria dos políticos do cargo (embora o senador democrata Robert Menendez esteja lutando contra vários apelos à sua demissão antes da sua primeira audiência no tribunal sob acusações de suborno).

    E, no entanto, mesmo a possibilidade de Trump, já sujeito a duas acusações de impeachment, ser um criminoso condenado antes das eleições de novembro de 2024, não está destruindo a sua popularidade entre os eleitores republicanos. Na verdade, é o oposto.

    Donald Trump durante evento de campanha em Dubuque / 20/9/2023 REUTERS/Scott Morgan

    Então, por que Trump continua escapando impune?

    Uma razão pela qual Trump é tão intocável é que o Partido Republicano quase nunca o faz pagar um preço pela sua conduta. Os dirigentes do alto escalão são influenciados pelo grande apoio de Trump entre a sua lendária base de eleitores e muitas vezes enfrentam uma escolha entre condenar Trump ou salvar as suas carreiras.

    Os líderes do Partido Republicano que se recusam a apaziguá-lo – como o ex-senador do Arizona, Jeff Flake, a ex-deputada do Wyoming, Liz Cheney, e agora o senador do Utah, Mitt Romney, – ou são expulsos do Congresso ou decidem que concorrer a um cargo público já não vale a pena.

    O culto de Trump à liderança do homem forte também atrai acólitos que o agradam e o imitam. Incendiários republicanos como o deputado da Flórida, Matt Gaetz, e a deputada da Geórgia, Marjorie Taylor Greene, são exemplos recentes. O poder político do ex-presidente dentro da base republicana significa que os seus líderes relutam em contrariá-lo.

    O presidente da Câmara, Kevin McCarthy, por exemplo, disse após o ataque de 6 de janeiro ao Capitólio pela turba de Trump que o ex-presidente era responsável pelo motim.

    Mas dias depois de o seu patrono ter deixado a Casa Branca, McCarthy voou para a Flórida para restabelecer os laços com Trump – que o ajudou a conquistar o cargo de presidente em janeiro, mas que agora o atormenta, incitando os extremistas da Câmara a paralisar o governo.

    Entretanto, o magnetismo pessoal de Trump atraiu dezenas de funcionários e agentes políticos para a sua órbita, embora o preço para muitos do seu círculo íntimo tenha sido a acusação dos seus esquemas de interferência eleitoral e a ruína das suas reputações. O ex-prefeito de Nova York Rudolph Giuliani e Meadows vêm à mente.

    O ex-presidente também argumentou com sucesso que está no caminho de um governo conspiratório que teria como alvo os seus seguidores se ele cedesse. “Se eles podem fazer isso comigo, eles podem fazer isso com VOCÊ!”, Trump escreveu em uma postagem nas redes sociais na terça-feira condenando a sentença contra ele no caso de fraude em Nova York.

    Este argumento tem sido tão eficaz que as pesquisas e a angariação de fundos do ex-presidente muitas vezes pareciam aumentar após os seus vários indiciamentos.

    Mais fundamentalmente, porém, Trump construiu uma base política inexpugnável entre os eleitores que inicialmente o viam como um avatar do seu ódio aos estabelecimentos políticos, financeiros, mediáticos e legais que eles se sentiam ignorados ou desdenhados.

    Trump agiu astutamente como um insurgente na sua própria administração, muitas vezes destruindo as instituições em que os seus eleitores desconfiavam. O resultado foi que os seus seguidores aceitaram todos os comportamentos aberrantes subsequentes, vendo-o como vítima de perseguição política institucionalizada.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Chin Shi Huang Mapa do site