Chin Shi Huang

Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Cidade ucraniana transfere escolas para estações de metrô

    Quase 2.200 crianças frequentam aulas nas cinco metrô escolas nas estações de Kharkiv, são 106 turmas do 1º ao 11º ano circulando pelas 19 salas de aula construídas no subsolo

    Em meio à guerra da Rússia na Ucrânia, crianças estudam em escolas improvisadas no subsolo das estações de metrô
    Em meio à guerra da Rússia na Ucrânia, crianças estudam em escolas improvisadas no subsolo das estações de metrô Joseph Ataman/CNN

    Joseph AtamanFrederik PleitgenDaria Tarasova-Markinada CNN

    Kharkiv, Ucrânia

    Foi um dia marcante para Elmira Dergousova quando os tanques russos atravessaram a fronteira da Ucrânia: ela completava o seu quinto aniversário.

    Com uma coroa de plástico na cabeça, ela soprou as velas do bolo com o tema “Frozen”. Sua mãe rapidamente tirou uma foto – a incerteza e o medo no sorriso de Elmira eram muito óbvios – antes de descerem correndo para o porão. Os projéteis russos já estavam caindo nas ruas.

    A vida das crianças em toda a Ucrânia mudou imensamente desde aquele dia de fevereiro de 2022. Para as que vivem na cidade de Kharkiv, no norte, a poucos quilômetros da fronteira com a Rússia, mudou mais do que a maioria.

    Apesar dos bombardeios e ataques de mísseis russos quase diários, a cidade recuperou uma normalidade desconfortável, com alguns residentes voltando, lojas reabrindo e a vida seguindo em frente.

    Mas o medo de ataques russos aparentemente aleatórios torna as escolas um risco muito elevado. Nenhuma das escolas da cidade ainda é usada para aulas, pois é muito perigoso. A cidade optou pelo subsolo, para o metrô e para as escolas-bunker recém-construídas para proteger as crianças enquanto aprendem.

    “Aqui não ouviremos nada. Não ouviremos os estrondos”, disse Elmira à CNN em sua sala de aula, envolta em janelas de vidros duplos que ajudam a amortecer o barulho do mundo lá fora.

    “Elas se acostumam com isso de alguma forma”

    Situadas em um antigo túnel para pedestres, a poucos metros do asfalto da estrada acima, as salas de aula são aconchegantes e coloridas. Personagens de desenhos animados vistosos e tabelas de multiplicação alinham-se nas paredes, enquanto um banner diz “Kharkiv Indestrutível”.

    Em um canto, Lego e brinquedos – o playground subterrâneo – estão prontos para o recreio. Mas primeiro, o hino nacional toca, sinalizando o início do dia escolar.

    “Eu amo a Ucrânia por causa da natureza”, disse Elmira à CNN na sala de aula: “Temos criaturas diferentes que não existem em outros países. E provavelmente fomos atacados por causa disso”.

    Duas ou três vezes por semana, Elmira vai de ônibus do centro da cidade de Kharkiv para a sua escola, situada em um túnel de uma estação de metrô / Joseph Ataman/CNN

    É um momento de inocência, segura dentro dos muros de sua nova escola. Mas ela sabe muito bem o que a guerra significa, o seu pai está lutando na linha da frente e ela esteve refugiada na Polônia com a sua mãe durante um ano.

    Em Kharkiv, as sirenes de ataque aéreo soam às vezes mais de uma dúzia de vezes por dia, disse a mãe de Elmira, Olena Dergousova, à CNN. Praticamente todas as casas em seu bairro foram atingidas nos primeiros meses da invasão de 2022, disse ela.

    Dado o espaço limitado na metrô escola, Elmira é forçada a estudar em casa dia sim, dia não. Ela usa software e tablets pioneiros durante a pandemia de Covid-19.

    Quase 2.200 crianças frequentam aulas nas cinco metrô escolas nas estações de Kharkiv, contra 1 mil em setembro, quando foram inauguradas, de acordo com a prefeitura de Kharkiv, apenas a pedido dos pais.

    No total, 106 turmas de crianças do 1º ao 11º ano circulam pelas 19 salas de aula no metrô. Isso é uma fração das dezenas de milhares de crianças em idade escolar na cidade, segundo o prefeito da cidade.

    Mas estudar no subsolo significa um dia escolar sem interrupções, protegido das bombas e do medo das sirenes. “As crianças provavelmente já estão se acostumando”, disse a professora de Elmira, Olena Rudakova. “Elas se acostumam de alguma forma”.

    As crianças da metrô escola pegam um ônibus da antiga escola até a estação de metrô, onde têm aulas presenciais em dias alternados / Joseph Ataman/CNN

    Morte que vem de cima

    Um míssil S-300 – preferido por Moscou para atacar cidades e infraestruturas ucranianas – demora menos de 40 segundos desde o lançamento até atingir Kharkiv, disse o líder da cidade, Ihor Terekhov, à CNN. “Nenhum alerta de ataque aéreo é capaz de funcionar”, disse ele.

    Apesar da proliferação de abrigos de emergência em toda a Ucrânia, salas de concreto visíveis nas ruas de vilas e cidades, os civis estão longe de estar a salvo dos ataques aéreos russos.

    “Se antes disparavam contra a infraestrutura energética, hoje atingem de forma a intimidar as pessoas. Eles atiram no parque habitacional, no setor privado, em prédios residenciais e há muitas vítimas”, disse Terekhov.

    A escola que Elmira frequentava, agora fechada com tábuas, foi atingida por bombardeios russos nos primeiros meses da guerra. As famílias estavam abrigadas no porão na época e felizmente ninguém ficou ferido.

    Muitos outros não tiveram tanta sorte. Pelo menos 10 mil civis, incluindo mais de 560 crianças, foram mortos desde que a Rússia lançou a sua invasão em grande escala da Ucrânia em fevereiro de 2022, disse em novembro a Missão de Monitoramento dos Direitos Humanos das Nações Unidas na Ucrânia. Mais de 18.500 pessoas ficaram feridas.

    A ONU acredita que os números reais são significativamente mais elevados devido aos desafios e atrasos envolvidos na verificação das mortes em áreas de hostilidades em curso.

    Até março, o prefeito de Kharkiv espera ter operacional a primeira “escola bunker” da cidade, construída especificamente para esse fim – onde 450 alunos terão aulas dentro dela quando estiver concluída / Joseph Ataman/CNN

    Com o espaço já escasso no sistema de metro da cidade – em 2022, cerca de 160 mil pessoas estavam abrigadas nas estações, de acordo com o departamento de educação da cidade de Karkhiv – no ano passado, o presidente da Câmara de Kharkiv encomendou uma escola subterrânea especialmente construída. A escola – prevista para abrir em março – parece um bunker.

    Abrangendo um campo de futebol, a estrutura térrea ainda era estava apenas na casca quando a CNN visitou em janeiro, mas os administradores já estavam planejando a cor das paredes das salas de aula.

    Da iluminação e isolamento acústico à ventilação, os administradores da escola elaboraram planos para tornar o local, que abrigará 450 alunos, o mais confortável e agradável possível para os estudantes.

    “Os pulmões devem respirar como respiram no ar fresco, é muito importante”, disse Terekhov sobre os futuros alunos da escola.

    “Elas cresceram”

    Na estação de metrô, um psicólogo agora faz parte do quadro de funcionários, pilar essencial do ensino em tempos de guerra.

    “As crianças sobreviveram a explosões, viveram momentos difíceis e à morte de familiares; é muito difícil para elas”, disse Rudakova, professora de Elmira, entre as aulas.

    FOTOS: Imagens mostram a destruição da guerra entre Rússia e Ucrânia

    Depois que seus alunos retornaram às aulas em setembro passado, a mudança era impossível de perder.

    “Quando olhamos para seus rostos, já eram crianças adultas voltando. Elas tinham a aparência de adultos que já haviam passado por dificuldades”, disse ela. “Elas cresceram”.

    Brincar é fundamental para o programa de estudos, disse Rudakova, pois eles tentam tornar o aprendizado o mais agradável possível.

    Os professores dançam um balé cuidadoso em torno de temas que poderiam perturbar seus alunos. Nas aulas em que as crianças perderam os pais, as menções aos pais são cuidadosamente navegadas, disse Rudakova à CNN.

    A escola é agora mais importante do que nunca, disse Rudakova. Mas por mais que a metrô escola seja um refúgio, não é a escola que as crianças realmente desejam.

    “Elas sempre dizem que querem a paz e voltar à sua antiga escola, que tem tudo para as crianças: áreas de lazer, um pavilhão esportivo e um refeitório”, disse Rudakova. “Elas entendem o que está acontecendo”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Chin Shi Huang Mapa do site