Chin Shi Huang

Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    A arquitetura flutuante não é o futuro, ela já está aqui

    Projetos com casas que bóiam sobre lagos na Nigéria e Holanda trazem inovações que poderão ser usadas para adequar cidades à elevação do nível dos oceanos

    The Floating Music Hub em Mindelo, no Cabo Verde
    The Floating Music Hub em Mindelo, no Cabo Verde Divulgação/NLÉ

    Francesca Perryda CNN

    Enquanto procuramos enfrentar o aquecimento global, existem realidades de nosso clima em mudança com as quais já precisamos conviver. O nível do mar tem subido a um ritmo acelerado, estimando-se que as costas dos EUA tenham um aumento de 25 a 30 centímetros até 2050.

    O secretário-geral da ONU alertou que comunidades e países inteiros podem desaparecer nas próximas décadas como resultado; o perigo é especialmente grave para os cerca de 900 milhões de pessoas que vivem em zonas costeiras baixas.

    Muitas dessas comunidades vulneráveis já sofreram inundações devastadoras. Mas, em vez de construir quebra-mares para tentar impedir a entrada de água ou erguer casas sobre palafitas, alguns arquitetos estão projetando um futuro em que viveremos com água – e sobre ela.

    Propostas para cidades flutuantes inteiras “resilientes ao clima” (incluindo um ambicioso assentamento oceânico na Coreia do Sul e um grande o suficiente para abrigar 20 mil pessoas nas Maldivas) ganharam as manchetes. Mas os projetos existentes, de Lagos a Roterdã, estão mostrando como pode ser a vida sobre a água e como eles podem ser ampliados.

    Uma nova exposição no Nieuwe Instituut da cidade holandesa, “Water Cities Rotterdam”, apresenta o trabalho do NLÉ, um escritório de arquitetura liderado por Kunlé Adeyemi que tem pesquisado e testado arquitetura flutuante em todo o mundo. Uma série de pavilhões flutuantes, que evoluiu a partir do aclamado projeto Makoko Floating School, se localiza nas lagoas do museu.

    Makoko é um distrito central de Lagos, na Nigéria, onde milhares de pessoas vivem em estruturas informais de madeira construídas sobre palafitas na lagoa. Inspirado pelo assentamento, Adeyemi construiu uma escola para seus moradores em 2012.

    Por videochamada, o arquiteto refletiu sobre uma grande enchente que atingiu Lagos em 2011: “Ruas inteiras ficaram cobertas de água e percebi que as cidades vão inundar, mas o povo de Makoko já estava se adaptando. Foi como uma epifania”.

    A escola triangular de madeira em forma de A era acessível por barco e incluía salas de aula protegidas e um espaço de lazer comunitário para dezenas de crianças. Em vez de ficar sobre palafitas, a estrutura flutuava sobre uma base de barris de plástico. A escola ruiu alguns anos depois, embora o NLÉ tenha esclarecido que sempre teve a intenção de ser temporário, alegando que a falta de manutenção e gestão coletiva levou à sua deterioração.

    Uma imagem aérea do Floating Music Hub do NLÉ / Divulgação/ NLÉ

    Aprendendo com este projeto e com a pesquisa em andamento – muitos dos quais aparecem em seu novo livro, “African Water Cities” – a prática de Adeyemi desenvolveu o Makoko Floating System (MFS), um grupo de estruturas de madeira sustentáveis que podem ser rapidamente montadas e desmontadas onde e quando necessário. O sistema é modular, com conexões de aço mais eficientes e altamente projetado para atender aos códigos de construção europeus.

    O MFS compreende peças planas pré-fabricadas que podem ser construídas por uma equipe de cinco pessoas em duas semanas, sem equipamentos pesados ou guindastes. “Nosso objetivo é criar uma solução inclusiva que não deixe ninguém para trás nesta fase de adaptação climática”, disse Adeyemi, “e garantir que, à medida que o mundo evolui, possamos trazer as comunidades mais vulneráveis”.

    O sistema oferece versões pequenas, médias e grandes da estrutura triangular A-frame. Adeyemi acredita que o MFS pode ser usado para diversos fins, desde moradia até educação, e é “uma solução que pode ser aplicada globalmente”. Ele construiu o sistema em vários países – incluindo Itália, Bélgica e China – para testá-lo em diferentes condições climáticas e aquáticas.

    Em 2021, o conceito criou raízes semipermanentes em Mindelo, cidade portuária de Cabo Verde na costa da África Ocidental, na forma de um “centro musical” flutuante. Distribuído por três pavilhões triangulares de madeira e aço, o centro cultural inclui espaço para apresentações, bar, cantina e estúdio de gravação flutuando no mar e conectado à costa por uma passarela.

    Aprendendo a viver com a água

    Criada em colaboração com o escritório NLÉ do arquiteto Kunlé Adeyemi, com sede em Amsterdã, a exposição “Water Cities Rotterdam” apresenta uma série de pavilhões flutuantes / Divulgação/NLÉ

    O fato de uma iteração do MFS de Adeyemi estar agora em exibição em Roterdã talvez seja apropriado: Roterdã é a cidade da Holanda mais vulnerável ao aumento das águas. Com 90% da cidade abaixo do nível do mar, a visão da arquitetura flutuante não é novidade. Exemplos de inúmeras empresas de design lutando com um futuro aquoso podem ser encontrados em toda a cidade.

    Um projeto concluído este ano, chamado Nassauhaven, apresenta 17 casas flutuantes criadas pela empresa local Public Domain Architects (PDA). O projeto venceu um concurso realizado pelo governo da cidade para desenvolver um projeto piloto de arquitetura flutuante que poderia ajudar a garantir o futuro de Roterdã.

    “Somos uma cidade do delta e os níveis de água estão mudando”, disse o CEO da PDA, Pieter Figdor. Ele observa que o interesse por edifícios flutuantes está crescendo – nos últimos anos, um complexo flutuante de escritórios e uma fazenda flutuante também foram inaugurados na cidade.

    Nassauhaven foi promovida como a primeira área residencial flutuante da cidade. Com suas casas dispostas em uma fileira organizada, o projeto é conhecido como uma “rua flutuante”. As casas de madeira ficam em pontões de concreto presos por postes ao chão do porto – e por passarelas para a terra.

    Elas sobem e descem suavemente com as marés diárias, permanecendo estáveis e confortáveis para os habitantes. Os edifícios foram projetados para serem neutros em energia, com recursos de sustentabilidade, como painéis solares, aquecimento de biomassa e purificação de águas residuais no local.

    Apelidado de “rua flutuante”, Nassauhaven é um empreendimento residencial na cidade holandesa de Roterdã / Domínio Público Architects

    Figdor vê a construção sobre a água como uma das poucas opções que restam quando se trata de novas moradias em Roterdã. Ele também acredita que é mais resistente do que simplesmente construir barreiras para manter a água longe de edifícios em terra. “Na água, você está no lugar mais seguro para a adaptação ao clima”, disse ele.

    A PDA está trabalhando em mais projetos flutuantes, em Bangladesh e em outros em Roterdã. A empresa também espera expandir o projeto-piloto de Nassauhaven.

    “Agora gostaríamos de fazer um projeto flutuante de cerca de 100 casas”, disse Figdor. Adeyemi tem planos semelhantes para um bairro MFS em Amsterdã, que já abriga comunidades de casas flutuantes, com sua empresa trabalhando para expandir seu sistema de estruturas flutuantes para incluir prédios de vários andares.

    Adeyemi acredita que, até o momento, não há pesquisas suficientes sobre como podemos construir e viver na água, que compõe 70% da superfície da Terra. A obra exposta no Nieuwe Instituut, e no novo livro do arquiteto, pretende começar a preencher esta lacuna face à subida do nível do mar.

    “Em um futuro próximo, a civilização humana viverá mais da água”, disse ele. “Por que lutar contra a água quando você pode aprender a conviver com ela?”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Chin Shi Huang Mapa do site