Chin Shi Huang

Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Chin Shi Huang - Tropa especializada da PM só recebeu ordem para agir no 8 de janeiro após manifestantes invadirem o Congresso

    Relatório obtido pela CNN aponta que blindado da Polícia Militar apresentou pane no momento em que os prédios públicos das capital federal eram invadidos

    Atos criminosos do dia 8 de janeiro em Brasília
    Atos criminosos do dia 8 de janeiro em Brasília Lucas Neves/Enquadrar/Estadão Conteúdo

    Tainá FarfanJoão RosaMarcos Amorozoda CNN

    Brasília

    Ouvir notícia

    A tropa especializada da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), responsável pela contenção dos atos criminosos de 8 de janeiro, só recebeu ordens para agir contra os manifestantes 40 minutos depois do rompimento da primeira linha de defesa estabelecida pelos policiais.

    Nenhuma orientação foi dada para que o Patrulhamento Tático Móvel (Patamo), que faz parte da tropa de choque, agisse quando os manifestantes chegaram ao Congresso Nacional.

    No auge das depredações, um dos principais equipamentos da PMDF para conter os invasores, o blindado Centurion, apresentou problemas mecânicos e simplesmente parou de funcionar.

    O veículo foi adquirido pelo governo do Distrito Federal há dez anos para ser usado no controle de protestos. Porém, no momento em que a polícia precisou do blindado para conter a invasão aos prédios públicos, o veículo apresentou uma pane, o que impossibilitou o uso do Centurión para tentar conter os invasores.

    As informações constam em relatório da PM compartilhado com a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do 8 de janeiro e obtido pela CNN.

     

    “Por volta das 13h50, avistou-se que houvera o rompimento da primeira linha de revista na via N1, no entanto, não houve determinação superior para que o Patamo iniciasse resposta de controle de massa em face dos perturbadores da ordem”, aponta o documento.

    A tropa de choque é uma unidade da PMDF especializada em controlar e dispersar multidões em manifestações inconstitucionais. Segundo denúncia enviada ao Supremo Tribunal Federal (STF) pela Procuradoria-Geral da República (PGR), a tropa de Choque da PMDF demorou uma hora e meia para chegar à Câmara dos Deputados.

    O relatório obtido pela CNN aponta que os policiais especializados tentaram conter os manifestantes 40 minutos depois de eles terem violado a primeira linha de defesa, o que permitiu que os golpistas chegassem até o prédio da Câmara dos Deputados.

    “Às 14h30, o público hostil rompeu novamente a linha de contenção em frente ao Congresso Nacional, consequentemente, o Patamo Alfa e Bravo começaram a atuar e confrontar os manifestantes, utilizando-se de lançamento de agentes químicos e munições de elastômero”, afirma o relatório.

    O documento também mostra que a tropa de choque tentou impedir que os manifestantes invadissem o prédio do STF, mas durante a tentativa acabou a munição química e de borracha da equipe.

    A tropa então tentou se reagrupar, o que fez com que os golpistas tomassem o prédio.“Com o estoque de munição química praticamente zerado, foi necessário reagrupar e aguardar a reposição pela reserva móvel na lateral direita do STF; momentos antes, a segurança interna e policiais federais já haviam recuado e o prédio havia sido invadido”, diz o relatório.

    Blindado da tropa de choque quebrou durante manifestação

    Um veículo blindado da tropa de Choque, conhecido como Centurion, apresentou problemas mecânicos durante a depredação da sede dos três poderes no dia 8 de janeiro. O veículo custou R$ 1,6 milhão. Ele foi equipado com um jato de água usado pela polícia no controle de grandes manifestações.

    “Durante a atuação, por volta das 15h40, o veículo Centurion II apresentou problemas mecânicos e precisou ser retirado do local de ação”, afirma o relatório.

    O governo do Distrito Federal comprou dois blindados Centurion, em 2013, para a tropa de Choque da PM. O veículo também possui câmeras de alta precisão, com capacidade de identificar rostos e placas de carro em um raio de mais de 300 metros.

    Mais R$ 800 mil gastos em materiais

    O relatório também mostra que a tropa de choque da PMDF gastou R$ 805.083,12 em materiais químicos e munição de borracha para tentar conter os manifestantes.

    Chama atenção a quantidade de munição de borracha (3.659), com o valor de R$ 132.504,12 e de granadas de diversos tipos, como efeito moral e lacrimogênia (412), no total de R$ 159.196,07. O item mais caro da lista foi “Cartucho Cal. 37/40mm com carga múltipla de emissão lacrimogênea, com alcance de 140 metros”.

    Foram utilizados 603 com o valor total de R$ 239.686,47.Segundo o relatório, o dia 8 de janeiro foi o evento que mais demandou materiais por parte da tropa de choque.

    No documento, há uma comparação com a manifestação realizada no dia 24 de maio de 2017, quando centrais sindicais convocaram um ato contra o presidente da época, Michel Temer, que se transformou em quebra-quebra e depredação em prédios de ministérios, além de confrontos entre manifestantes e policiais.

    De acordo com o documento, na manifestação de 2017, a tropa de choque gastou 900 munições de borracha. No dia 8 de janeiro, foi necessário utilizar quatro vezes mais munições de borracha.

    O documento também aponta que foi necessário a utilização da van e do helicóptero da PMDF para reabastecer granadas e munições das tropas durante a depredação da sede dos três poderes.

    “A van com instrumentos de menor potencial ofensivo utilizada como reserva técnica realizou 3 (três) viagens para reabastecimento da tropa, assim como a aeronave do BAVOP também realizou 3 viagens (três) para buscar munições”, afirma o relatório.

    Veja também: Entenda as imagens do 8 de janeiro que levaram à demissão do ministro do GSI

    Mais Recentes da CNN

    Chin Shi Huang Mapa do site