Chin Shi Huang

Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Chin Shi Huang - Após acordo, comissão adia votação de projeto para proibir casamento homoafetivo

    Parlamentares concluíram que será necessário realizar audiência pública antes de decidirem sobre a proposta na Comissão de Previdência, Assistência Social, Infância, Adolescência e Família da Câmara

    Manifestantes LGBTI+ protestaram contra o projeto, houve bate-boca na Comissão de Previdência, Assistência Social, Infância, Adolescência e Família da Câmara, e sessão teve que ser suspensa
    Manifestantes LGBTI+ protestaram contra o projeto, houve bate-boca na Comissão de Previdência, Assistência Social, Infância, Adolescência e Família da Câmara, e sessão teve que ser suspensa Foto: Lula Marques/Agência Brasil

    Pedro Jordãoda CNN

    São Paulo

    Ouvir notícia

    A votação do projeto de lei que visa proibir o casamento entre pessoas do mesmo sexo foi adiada para a quarta-feira da próxima semana, após acordo ser firmado entre lideranças partidárias.

    Os parlamentares acordaram, no começo da noite desta terça-feira (19), que uma audiência pública deverá ser realizada na Comissão de Previdência, Assistência Social, Infância, Adolescência e Família da Câmara dos Deputados antes da votação.

    A proposta estava na agenda do dia do colegiado e, se aprovada, podia seguir diretamente para o Senado Federal, sem passar pelo plenário da Casa.

     

    A audiência deverá ouvir oito pessoas, quatro favoráveis ao projeto, e quatro contrários. A previsão é de que a audiência pública seja realizada na próxima terça-feira (26).

    O acordo foi fechado após cinco horas de discussões na comissão.

    Antes do início da sessão da comissão desta terça (19), manifestantes da comunidade LGBTI+ protestaram contra o projeto. Houve bate-boca e a sessão teve que ser suspensa.

    A deputada federal Tabata Amaral (PSB-SP) usou as redes sociais para anunciar que foi ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra o projeto de lei, chamando-o de inconstitucional.

    Casamento e união por decisão da Justiça

    No Brasil, não há lei que permita e regularize o casamento entre duas pessoas do mesmo sexo. No entanto, por decisão do STF, a união estável é possível desde 2011. Em 2013, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), determinou aos cartórios a obrigatoriedade de realizar também o casamento homoafetivo.

    Tanto uma modalidade quanto a outra conferem direitos aos casais perante à lei e à justiça brasileira.

    O projeto de lei em debate

    O projeto de lei original foi apresentado em 2007 pelo então deputado federal Clodovil Hernandes, deputado federal do PL de São Paulo que morreu em 2009.

    O texto original pretendia mudar o Código Civil para prever a possibilidade de que duas pessoas do mesmo sexo pudessem casar por meio de contrato sobre suas relações patrimoniais.

    O relator do texto atual, deputado Pastor Eurico (PL-PE), porém, rejeitou todo o projeto original de Clodovil e adotou outro, de autoria dos ex-deputados Paes de Lira (PTC-SP) e Capitão Assumção (PL-ES).

    A atual versão afirma que “nos termos constitucionais, nenhuma relação entre pessoas do mesmo sexo pode equiparar-se ao casamento ou a entidade familiar”.

    Na justificativa do projeto, os dois deputados afirmaram que “aprovar o casamento homossexual é negar a maneira pela qual todos os homens nascem neste mundo, e, também, é atentar contra a existência da própria espécie humana”.

    Veja também: Adoção por casais LGBTQIA+ ainda é desafio no Brasil

    *Com informações da Agência Brasil

    Mais Recentes da CNN

    Chin Shi Huang Mapa do site