Chin Shi Huang

Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Estudo aponta que 38 milhões de brasileiros sofrem com estresse térmico

    Estudo foi conduzido pela UFRJ; condição acontece quando o calor faz com que a temperatura corporal aumente e não consiga manter-se nos 36,5°C ideais

    Pessoas em parque durante onda de calor em São Paulo, neste sábado (23)
    Pessoas em parque durante onda de calor em São Paulo, neste sábado (23) Paulo Pinto/ Agência Brasil. (23/09/2023)

    Gabriele KogaJoão Victor Azevedoda CNN*

    São Paulo

    Um estudo do Laboratório de Aplicações de Satélites Ambientais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Lasa/UFRJ) concluiu que o número de brasileiros expostos ao estresse térmico passa dos 38 milhões. O fenômeno pode causar problemas de saúde que podem ser graves para quem já possui condições médicas pré-existentes.

    O estresse térmico é definido por condições climáticas que fazem com que a temperatura corporal aumente e não consiga manter-se nos 36,5°C – ideal para o organismo humano.

    O Brasil, que vive uma forte onda de calor, registrou, no domingo (24), recordes de maiores temperaturas do ano em quatro capitais do sul e sudeste.

    De acordo com o Instituto de Meteorologia (Inmet), Curitiba, São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro atingiram os maiores picos registrados neste ano.

    A professora Renata Libonati, que coordenou o trabalho do Lasa/UFRJ, afirma que a pesquisa tinha como objetivo analisar o estresse térmico na América do Sul e como ele evoluiu ao longo dos últimos 40 anos.

    O estudo, por meio de índices bioclimáticos, levou em consideração não apenas a temperatura, mas também aspectos como umidade do ar e o vento, para poder calcular os níveis de estresse térmico.

    O trabalho focou nas 31 principais cidades da América do Sul com mais de 1 milhão de habitantes – 13 delas no Brasil – e analisou que em todas essas regiões houve um aumento gradativo e contínuo no número de horas de estresse térmico – com registros de até 12 horas ou mais consecutivas acima dos níveis ideais.

    Esse aumento de temperatura corporal, inclusive, pode levar a problemas graves, como explica a professora à CNN: “O estresse térmico tem relação direta com problemas de saúde. Pode variar desde uma dor de cabeça ou cansaço até situações mais graves. A quem já é acometido de condições médicas pré-existentes, principalmente cardiovasculares, tem que ficar atento porque em níveis extremos pode até levar a óbito”.

    A professora Renata Libonati citou ainda projeções obtidas pelo estudo: “Concluímos que o estresse térmico aumentou consideravelmente nos últimos 40 anos, mas deve também persistir pelas próximas décadas”.

    *Sob supervisão de Vital Neto

    Chin Shi Huang Mapa do site